Endereço

Programa de Pós-Graduação em Educação - ProPEd

Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

Rua São Francisco Xavier, 524, 12037F. 

Maracanã - Rio de Janeiro - RJ

22010-010

Telefone

21 23340467

ABORDAGEM INTERSECCIONAL DA DIFERENÇA NA EDUCAÇÃO ESCOLAR DA JUVENTUDE: QUESTÕES TEÓRICO-POLÍTICO-PEDAGÓGICAS NO CONTEXTO DO ATIVISMO ESTUDANTIL CONTEMPORÂNEO

 

Sobretudo desde as chamadas “jornadas de junho”, nossas ruas permanecem em ebulição, com movimentação nem sempre protagonizada por jovens, mas, sem dúvida, contando ainda com a sua presença. Entretanto, tais manifestações surpreendem agora menos pela participação juvenil do que pelo conteúdo de parcela significativa das bandeiras defendidas em tais mobilizações. Pela primeira vez, desde o fim da última ditadura que tivemos no país, forças políticas altamente conservadoras se assumem como tal e ocupam os espaços públicos reivindicando e enaltecendo o que até pouco tempo seria para muitos de nós impensável: a volta da ditadura, a intervenção militar, o anticomunismo, a bi/homo/lesbo/transfobia. Como se coloca a educação escolar nesse quadro sociopolítico? Como tem - ou não - formado para a participação nesse contexto? O formato “grêmio”, para a organização política dos estudantes do ensino fundamental e do ensino médio, ainda faz sentido para a juventude contemporânea? A escola tem favorecido a constituição deste e de outros formatos de organização e atuação política dos seus jovens estudantes? Como se colocam as questões da diferença nesse contexto? Neste projeto, propomos buscar respostas a tais questionamentos, em continuidade às últimas pesquisas que temos realizado no Grupo de Estudos sobre Diferença e Desigualdade na Educação Escolar da Juventude/DDEEJ. Para tanto, a pesquisa conta com três eixos principais de desenvolvimento: 1) pesquisa colaborativa, em parceria com estudantes e professores de colégio público do Rio de Janeiro com tradição de ativismo discente, visando mapear e problematizar a formação e participação política dos estudantes na instituição; 2) levantamento e discussão da produção acadêmica recente (2007 a 2017) acerca de temas e de noções teóricas pertinentes à pesquisa: ativismo político estudantil; gênero e sexualidade na educação escolar da juventude; interseccionalidade; 3) aprofundamento teórico das temáticas que temos focalizado em nossas pesquisas e que seguiremos estudando neste projeto, nomeadamente: juventude e educação escolar, ativismo político juvenil e estudantil, perspectiva teórico-política da diferença (que temos buscado construir em diálogo com teorizações de Jacques Derrida e Judith Butler, entre outros) e problemáticas da diferença na escola, com destaque para questões relativas a gênero e orientação sexual, bem como para a abordagem interseccional dessas questões, que têm mobilizado movimentos estudantis no estado do Rio de Janeiro, e se colocado bastante presentes em nossos estudos sobre a diferença e a desigualdade na escola. Destaque-se, neste último eixo, pesquisa bibliográfica e estudos sobre a juventude em perspectivas críticas, visando a proposição de bases gerais para a realização do diálogo entre tais produções e nossas pesquisas, usualmente mais próximas de teorizações pós-críticas.